sábado, 25 de fevereiro de 2012

Filme:Eu sou a lenda.

Interpretação: Eu sou a Lenda

1. Relembre a entrevista que passa na TV no início do filme:

[...] Obrigado. E isso não é tudo. Com vocês Karen e a saúde.
- O mundo da medicina já viu curas milagrosas... desde a vacina contra a pólio até transplante de coração... mas as últimas conquistas não se comparam ao trabalho da Dra. Alice Krippin. Muita obrigada pela sua presença.
- De nada.
- Dr. Krippin, conte, em poucas palavras, sua descoberta.
- Bem, a premissa é bastante simples. Pegue alguma coisa criada pela natureza e reprograme... para que ela funcione em favor do corpo e não contra ele.
- Fala de um vírus?
- Exato! No caso do sarampo que foi modificado geneticamente para ser útil em vez de ser nocivo. [...]
- E quantas pessoas trataram até agora?
- 2009.
- E quantas foram curadas do câncer?
- 2009.
- Então quer dizer que encontraram a cura do câncer?
- Sim, sim. Nós descobrimos.

De acordo com o filme, foi através das pesquisas para se encontrar a cura do câncer que o mundo entrou em colapso.
a) Na sua opinião, há cientistas que exageram em suas pesquisas? Explique.

b) Atualmente há a polêmica sobre o uso de células-tronco de embriões. Pesquise sobre o assunto e posicione-se em relação ao mesmo.

2. Na cena em que Robert Neville (Will Smith) persegue um antílope, ele reluta em acertar ou não o leão. Depois, o relógio apita e ele chama o cachorro para ir para sua casa.
a) Na sua opinião, por que ele não quis matar o leão?


b) Por que ele quis ir para casa logo que o relógio apitou?


3. Em uma cena, Robert aparece assistindo a um telejornal.
a) Esse telejornal é atualizado ou não? Justifique.


b) Ele demonstra interesse ou indiferença(como se fosse algo normal, do dia-a-dia) pelo telejornal?


c) Na sua opinião, por que ele está assistindo àquele telejornal?

4. Tradução da música ouvida por Robert.


“Não se preocupe com nada
Pois tudo vai dar certo
Sei que é gostoso
O nascer do sol me faz sorrir
Três passarinhos cantando doces canções
De melodias...”



a) A letra da música é otimista ou pessimista? Justifique.

b) Essa música poderia ajudar Robert em alguma coisa? Explique.


5. Na cena em que Robert está preocupado com Sam (a cadela) e entra em um prédio escuro, ele se depara com varias cédulas de dólares no chão. Ironicamente, o dinheiro o atrapalha, pois faz barulho quando ele pisa nas notas.
Essa cena nos faz refletir sobre a importância exagerada que damos ao dinheiro. Para você, o que é mais importante: Ter ou Ser? Explique.



6. Quando a família de Robert vai passar pelo detector de vírus, sua filha é classificada como “não infectada” e sua mulher, primeiramente como infectada. Então, Robert pede que o soldado a examine novamente. Ele não obedece. Robert diz ser tenente-coronel e exige que a examinem novamente. Desta vez, ela é classificada como não infectada.
a) Por que motivo a esposa de Robert foi reexaminada?

b) De acordo com a atitude dos soldados as outras pessoas também tinham a chance de serem reexaminadas? Justifique.

c) O que você pensa sobre algumas pessoas terem “privilégios” sobre as outras? Você é contra ou a favor?

d) E se você fosse o privilegiado? Utilizaria esse expediente? Justifique.


7. Relembre essa fala de Robert:

- Dia 1001. Tivemos contato com um enxame hoje. Pelos exames de sangue, ainda sou imune tanto ao vírus transmitido... pelo ar como por contato humano. Os cães permanecem imunes só ao vírus transmitido pelo ar. [...] Testes com vacina continuam. Ainda não consigo transmitir minha imunidade a hospedeiros infectados. O vírus Krippin é...muito complexo. Estou andando às escuras... Nota sobre o comportamento... Um infectado do sexo masculino se expôs à luz solar hoje. É possível que a função cerebral reduzida deles... ou a crescente escassez de comida esteja fazendo com que... eles ignorem seus instintos básicos de sobrevivência. A regressão social parece completa. O comportamento humano típico desapareceu por completo.
a) Por que o vírus recebeu o nome de Krippin?


b) Robert estava errado em relação à sua última fala. Explique por que.


8. Quando está no laboratório, Anna (Alice Braga) pergunta a Robert se todas as pessoas das fotos penduradas na parede estão mortas. Ele diz que sim e ela diz: “Meu Deus!”. Então ele responde: “Deus não fez isso, Anna. Fomos nós.”
Com essa fala, ele demonstra acreditar ou não em Deus? Justifique.


9. Relembre a explicação que Robert deu a Anna sobre Bob Marley:

“ Ele tinha uma teoria. Parecia ser uma teoria de virologista. Ele achava que se podia curar o racismo e o ódio, literalmente...injetando música e amor na vida das pessoas. Um dia, estava programada sua apresentação em um comício pela paz. Atiradores foram à casa dele e atiraram nele. Dois dias depois... ele foi até o palco e cantou. Alguém perguntou a ele por quê. Ele disse: ‘As pessoas... que tentam tornar este mundo pior não tiram um dia de folga. Como eu posso tirar?’ Uma luz na escuridão”
a)      O que você achou da atitude de Bob Marley? Justifique.

b)      Você acredita na teoria de Bob Marley? Por quê?

10. Relembre este diálogo entre Anna e Robert.



- Vem com a gente, Neville. Para a colônia.
- Não existe colônia, Anna.Tudo desmoronou. Não havia nenhum plano de evacuação.
- Engana-se. Existe uma colônia. Eu sei, tá?
- Como você sabe, Anna?
- Eu só sei.
- Como? Eu perguntei como você sabe? Como você pode saber?
- Deus me contou. Ele tem um plano.
- Deus lhe contou?
- Sim.
- O Deus?
- É!.. Eu sei o que isso parece...
- Parece loucura.
- Mas uma coisa me disse para eu ligar o rádio. Uma coisa me disse para eu vir aqui.
- A minha voz no rádio lhe disse para vir pra cá.
- Estava tentando se matar ontem à noite, certo?
- Ah, tá bom Anna.
- E eu cheguei bem a tempo de salvar sua vida. Acha que é coincidência?
- Pára. Pára com isso. Pára.
- Ele me mandou por uma razão.
- Neville, o mundo está mais quieto agora. Você só precisa escutar. Se escutarmos... poderemos ouvir o plano de Deus.
- O plano de Deus?
- É.
- Tá bom. Vou lhe contar o que eu acho do plano de Deus... Havia seis bilhões de pessoas na Terra quando a infecção começou. O vírus matou 90% delas. Ou seja, 5, 4 bilhões... E todas sangraram até morrer. Menos de 1% de imunidade. E restaram 12 milhões de pessoas saudáveis como você, eu e o Ethan. As outras 588 milhões...se transformaram em vampiras. E elas ficaram com fome. E elas mataram e se alimentaram de todo mundo... Todo mundo! TODAS AS PESSOAS QUE VOCÊ OU EU CONHECEMOS UM DIA MORRERAM.
- Eh.
- MORRERAM. Deus não existe. Deus não existe!




a) Para você, os acontecimentos entre Anna e Robert foram coincidência ou um plano de Deus? Justifique.


b) Na sua opinião, Robert realmente não acreditava em Deus ou estava apenas extravasando em um momento de raiva? Justifique.

11. Depois que os “vampiros” invadiram sua casa. Quando vê que não dá mais para conter a invasão, Robert entrega um recipiente com sangue da mulher que estava sendo curada e diz:
- Anna. Deve ser por isso que você está aqui.
- O que está fazendo?
- Eu estou escutando.
- Neville, há lugar aqui. Venha.
- Não, eles não vão desistir. Não vão parar... Fiquem aí até o amanhecer.
a) O que Robert estava escutando?


b)Na sua opinião, era realmente necessário o sacrifício do Robert? Justifique.

12. Por que o filme se chamava “Eu sou a lenda.”?

13. Leia atentamente a crítica sobre o filme “Eu sou a lenda.” Publicada na revista Veja.
SOZINHO, E BEM ACOMPANHADO

Com Eu Sou a Lenda, Will Smith demonstra sua estratégia para uma carreira de sucesso ímpar: cercar-se de roteiro, direção e imagens de qualidade – e deixar muito espaço para si no centro de tudo.
Will Smith já cometeu erros, claro. Errou no sumamente estúpido As Loucas Aventuras de James West, em Bad Boys II (bem mas irritante ainda do que o primeiro, se possível) e no insípido Lendas da Vida. Mas faz algum tempo que ele perdeu esse hábito. Smith tem acertado sistematicamente na escolha de projetos que evidenciem sua capacidade inata para provocar empatia, como Hitch – Conselheiro Amoroso. E se sai melhor ainda quando o filme o faz aliar essa característica a uma outra, à qual ele nem sempre deu a devida importância: seu talento dramático, bem conhecido dos poucos que o viram, em início de carreira, em Seis Graus de Separação. No ano passado, Smith colheu tantos elogios como dólares graças a essa boa combinação, em Á Procura da Felicidade. Agora, ele a repete, com mais sucesso ainda, em Eu Sou a Lenda (I Am Legend, estados  Unidos, 2007) que estréia nesta sexta-feira no país.
Refeitura de A Última Esperança da Terra, um pequeno clássico da ficção científica estrelado por Charlton Heston em 1971, o filme traz o ator como Robert Neville, um cientista que, até onde ele próprio sabe, é o único ser humano a ter sobrevivido inalterado por um vírus modificado para o tratamento do câncer. [...] À parte alguns flashbacks, isso significa que, na prática, Smith está absolutamente só em cena durante mais de uma hora. Até que a brasileira Alice Braga entre na história. Já muito perto do desfecho, ele tem de gerar sozinho toda a ação dramática; tem de falar consigo mesmo sem parecer louco nem soar aparvalhado como um personagem do noveleiro Manoel Carlos; tem, enfim, de manter o interesse da platéia e a tensão do enredo contando apenas com os próprios recursos. É uma tarefa e tanto. Que Smith a cumpra de forma tão bem-sucedida é prova de sua competência e da argúcia com que tem selecionado os projetos que melhor ressaltem seus pontos fortes.
[...]
Não é só pelo artesanato eficaz e pela presença de Smith – um dos maiores chamarizes de bilheteria de que Hollywood dispõe – que Eu Sou a Lenda já acumulou 400 milhões de dólares em menos de quaro semanas de exibição. [...

Veja 16 de janeiro, 2008 p. 95-96
a) Você concorda com as críticas que foram feitas aos outros filmes em que Will Smith atuou? (Escreva o nome dos que você assistiu, juntamente com a sua opinião a respeito da crítica.). Justifique.

b) Você concorda com a crítica feita ao filme “Eu Sou a Lenda”? Justifique.

c) O que você achou da atuação de Will Smith nesse filme? Justifique.

d) Por que o título da crítica da revista recebeu o título “SOZINHO, E BEM ACOMPANHADO”?

14. Leia atentamente e responda às questões propostas.

PRONTA PARA FAZER A AMÉRICA

Na Nova York pós-apocalíptica em que se passa Eu Sou a Lenda, o protagonista Robert Neville interage com apenas dois outros seres humanos: um menino, com o qual não troca palavra, e Anna, uma paulista que conseguiu escapar do holocausto genético num navio, rumo à Costa Leste Americana. Com o papel de Anna, Alice Braga tirou um bilhete premiado – a oportunidade de ser a única atriz a contracenar com Will Smith numa produção de imenso sucesso. E o melhor, recebendo elogios[...]
Alice está cumprindo o que é quase um destino anunciado. Seu pai, Ninho Moraes, foi durante anos diretor do programa de Marília Gabriela e hoje dá aulas de cinema e de jornalismo. Sua mãe, Ana, é montadora. Sua irmã, Rita, é produtora e assistente de direção. Vários primos e tios também trabalham no meio. Entre os quais Sonia Braga, de quem sua mãe é irmã mais nova. Mas desde seu desempenho surpreendente em Cidade Baixa, há dois anos, Alice vem rapidamente deixando de ser designada como “a sobrinha de Sonia”. Talentosa, dona de um sorriso cativante e dedicada – como se pode aferir pelo inglês excelente que fala em Eu Sou a Lenda -, ela está muito perto de inverter os termos. Se continuar nessa ascendente, daqui a pouquinho Sonia é que terá de se conformar em ser chamada de “a tia de Alice”.

Veja 16 de janeiro, 2008 p. 96

a)      Você sentiu orgulho por ter uma brasileira no filme? Justifique.


b)      Você concorda com a crítica feita ao trabalho da Alice no filme Eu Sou a Lenda? Justifique.


c)      De acordo com a crítica, é bom ou ruim ser identificado como parente de alguma pessoa famosa em relação à carreira? Justifique com elementos do texto.


Respostas – Eu sou a lenda

1.
a) pessoal
b) pessoal

2
a)      Sugestão ( Provavelmente porque ele via o leão como uma vítima, igual a ele, lutando pela sobrevivência, portanto passando pelas mesmas dificuldades por que ele passava.)
b)      Pois aquele apito o avisava de que o dia estava terminando, ou seja, o sol iria se pôr. Assim, os “vampiros” iriam sair às ruas.

3.
a) É desatualizado, pois não passa de uma gravação, uma vez que não existe ninguém, além dele, na cidade.
b) Indiferença, como se fosse um jornal de um dia comum.
c) Sugestão (Para tentar fingir que a sua vida está normal, que não aconteceu nada de extraordinário no mundo.)

4. a) Otimista, pois ela fala de esperança.
b) Sim, pois poderia motivá-lo a continuar vivendo, uma vez que a mesma transmite uma clara mensagem de esperança.

5. Pessoal.

6. a) Porque o cargo de Robert gozava de um certo prestígio, fazendo com que o mesmo tivesse privilégio devido ao abuso de autoridade.
b) Não. Pois só reexaminaram a esposa do Robert por causa do cargo que ele ocupava.
c) Pessoal
d) Pessoal

7.
a) Por causa da médica que o criou: Dra. Alice Krippin.
b) Porque os “vampiros” ainda possuíam alguns comportamentos humanos. A armadilha que foi feita para ele demonstra isso.

8.
Sugestão ( Demonstra acreditar, pois quis dizer que Deus não faz mal para as pessoas. O mal pelo qual eles estavam passando, tanto quanto as mortes ocorridas foram causadas pelo homem mesmo.

9.
a) Pessoal
b) Pessoal

10.
a) Pessoal (Sugestão: O filme nos leva a deduzir que aqueles fatos tiveram um motivo maior do que coincidência para acontecerem. Ex. Anna chega logo no dia em que Robert iria suicidar. Robert encontra a cura pouco depois que conhece Anna. Anna realmente encontra a colônia e tem a chance de salvar a humanidade – dentre outros)

c)      pessoal (Sugestão – Ele acreditava em Deus, pois ele chegou a mencionar anteriormente que não foi Ele que causou o mal para a humanidade, mas eles próprios. Tudo leva a crer que ele falou aquilo “da boca pra fora”, em um momento de raiva.)

11.
a) Sugestão (Provavelmente a sua consciência, que o estava alertando para fazer o que era correto fazer naquele momento. Também podemos dar à essa consciência o nome de “o plano de Deus”.)
b) Pessoal. (Sugestão. Provavelmente não, pois ele poderia ter jogado a granada nos “infectados” e fechado rapidamente a entrada do abrigo em que a Anna se escondeu. Além do mais, se ele disse que os infectados não desistiriam, após sua morte, os que não tivessem morrido tentariam pegar a Anna do mesmo modo.)

13.
a) Pessoal
b) Pessoal
c) O título faz um trocadilho com o ditado popular :”Antes só, do que mal acompanhado” e, de acordo com a matéria dá para percebermos que ele faz alusão à excelente atuação do ator, que, sozinho, por mais de uma hora, consegue fazer um excelente trabalho.Já o bem acompanhado está se referindo à participação da atriz Alice Braga.

14.
a) Pessoal
b) Pessoal
c) Ruim, pois dá a impressão de que a pessoa não tem referência própria e faz sucesso apenas por ser parente “do famoso”. Alcem do mais, a reportagem diz que daqui a algum tempo é “Sonia que terá de se conformar em ser chamada de a tia de Alice”. Ninguém se conforma com algo agradável, portanto ser chamado de “parente de fulano” não deve ser algo agradável (pelo menos no meio artístico).












Nenhum comentário:

Postar um comentário